Paris por 5 dias – parte 1

Esta foi uma Páscoa diferente. Fomos a Paris!

Já lá havíamos estado por breves horas, aquando d’uma escala mais alargada no regresso do WOC 2016 (na Suécia), e logo aí prometemos regressar para ver melhor a coisa! 😀

Decidimos aproveitar o período da Páscoa, onde com poucos dias de férias poderíamos angariar mais dias “úteis”, para conhecer a cidade-luz. E assim foi, fomos na sexta-feira santa e regressámos na terça feira depois da Páscoa.

Musée Rodin

A noite de sexta foi muito curta, pois o voo era às 5:55 da madrugada. Pouco dormimos, mas aproveitámos a viagem no avião para fechar um pouco os olhos. Menos mal…
Às 9:10 locais aterrávamos em Orly, e aqui surge o nosso primeiro contratempo. Depois de comprar o Paris Museum Pass como é que chegamos à cidade? É que ainda é distante… Lá andámos para trás e para a frente, tentámos levantar algum dinheiro, mas principalmente perceber que bilhetes e que transportes deveríamos tomar – tudo sem sucesso.

Ao fim de quase uma hora nisto, decidimos comprar os bilhetes multimodais t+, enfiarmo-nos no elétrico T7 e mudar para o comboio numa estação. O nosso destino era a estação do Musée d’Orsay.

Já na cidade, entrámos num snack-bar, pedimos duas sandes e saímos com destino ao museu. Rapidamente identificámos a fila de quem já tinha bilhetes comprados e fomos para lá (é aqui que começa a nossa saga das filas). Vinte minutos depois passávamos no controlo de segurança.
Sim, parece que depois dos atentados de novembro de 2015, quase tudo o que é público em França faz um controlo de segurança mais ou menos apertado.
Aqui o único drama era mesmo andarmos com as nossas “mochilas de viagem” – o que dificultava um pouco todo o processo. A vantagem foi mesmo o museu ter um bengaleiro. 🙂

E depois de cerca de 2h e picos a apreciar arte de Cézanne, Degas, Gauguin, Manet, Monet, Renoir, Rodin, van Gogh e outros que tais, saímos em direção a mais um museu ali perto – o Musée Rodin. O espaço era o de um hotel do século XVIII, com todo um espetacular jardim que o rodeava. Valeu bem a pena a quase hora e meia que ali passámos e onde admirámos esculturas como Os Burgueses de Calais, O Pensador e a Porta do Inferno.

Eiffel Tower

Dali seguimos para a tão aguardada subida à Torre Eiffel. Eram cerca de 17h.
Mais 45min de fila para passar no controlo de segurança e estávamos prontos a comprar os nossos bilhetes. Adivinhem: mais uma fila! Mas desta vez mais pequena, pois passados 15min estávamos já perto do guichê, quando o inesperado acontece: todos os vendedores fizeram uma pausa de 10′ para lanchar. Comprados os bilhetes segue-se a fila para o elevador. Mais cerca de meia hora com direito a entrevista pelo “nosso amigo” Mamadu, que gostava de ver a Casa do Amor portuguesa. 😁

Chegados ao segundo andar da torre, mais uma fila, para subir ao topo. Mais meia hora de espera…e bem, quase passadas duas horas e meia pudemos desfrutar da maior vista da cidade, 323m acima de solo. Deslumbrante!

E o nosso primeiro dia estava quase a terminar, mas antes ainda fomos até ao Trocadéro, onde olhámos para a Torre já de luzes acesas.

Estava na hora de ir procurar o nosso hotel e descansar um pouco. No dia seguinte havia mais Paris! 😀

(continua…)

Anúncios

Na minha opinião...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Create a website or blog at WordPress.com

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: